2 de nov de 2016

erros



escrevo longas cartas
discretas e várias
em que rasgo meus silêncios

bilhetes natimortos
repletos de traços picotados
erros inconfessáveis

você não as lê

prefere que remeta meus dedos
meus beijos envelopados
abraços selados

os erros caem sem ruído
numa festa de enganos

confetes coloridos

passeiam pela tarde
e parecem repetir
nossas conversas

vagos e inválidos
seus pensamentos
destrincham minha pele
e minha rima

suavemente