12 de ago de 2017

vermelho




O espelho nunca reflete direito o cataclismo que é esse buraco na alma, sumidouro de estrelas que se espalha em flores de bolor nas paredes úmidas. Ontem pensei em cortar os cabelos, mudar a cor do esmalte, do batom,emagrecer, engordar, comer ou jejuar. Mudei de ideia e dividi beijos mortos para selar as frinchas desse umbral mas a voragem rugiu árida. Outra estrela apagou-se com a aurora. Deixei que riscasse a pele das coxas. tatuagem vermelha, feitiço fugaz.



Imagem : ©2010-2017 Sum1Good

2 de ago de 2017

Amarras de papel



Tudo, sempre, começa e termina aqui no meu colo.
Tudo que nos enreda em tramas de fios delicados de densidade variada.
Não tenho certezas apenas arrumo grandes e pequenas sabotagens.

São intencionais mas não parecem ser.
Amarras de papel presas aos pulsos pálidos.

E um cansaço imemorial. Tudo que fiz me prendeu e termina por te aprisionar .
E ele jamais se culpa , jamais! Pega cada erro e os arremessa em meu colo
Cansada amarro perdas, persas, pedras, lágrimas e lembranças. Tudo encadeado.

Vi ontem marcas de lágrimas fantasmagóricas desenhadas na pele.
Lágrimas que guardadas transbordam. Desdenham dos meus segredos.

Rios secos. Fantasmas dantescos.

Cubro com arte e parte delas fica. Tudo fica
Agora mesmo recolhi algumas e forjo poemas
Penas, trancos, barrancos, covardias e corajosas bravatas

15 de jul de 2017

lilith, marias e evas


Ao sul do equador,            
 Minha querida
 Fica o pecado

Aquele que oferto

 Espera-te resiliente e quieto
Numa caixa perolada
                                                                   
Prometo um vício repaginado
Originalmente inexistente
Falado numa língua diferente

Na tua

Naquela que desliza
Tudo que falo

 Doer
Latejar
Piscar
  Devorar-te              
 Ao sul do equador.

Dizem

Há cinquenta tons de cinza

Eu vejo claramente
Penugem escura
                                           
Dormente

Tuas lambidas distantes
Distraídas e inconsistentes

Ao sul do equador
Tudo gira
                       
Sem as dores
Sérias de Eva

Sem os amores de Maria

Resta-me
Afundar no umbigo de Lilith
Alimentar fogo com fogo
Antropofagia!

17 de jun de 2017

Vadiagem




Sorrio.
Pela noite azulada
A cidade dorme

Devaneios enevoados
Repicam no breu

Pensamentos avoantes
Vagam em lenta procissão

Noctâmbulos pavores
Ciciam em comitivas risonhas

Aprisionada e nua
A alma trêmula
Tremula e sonha

15 de jun de 2017

Gueixa

.


teu sorriso
congelado na foto
faz-me sorrir...

teu olhar travesso
adverte!
não leve a sério
as promessas
mal escuto tuas cantadas
mas teu olhar...
teu olhar me diverte!

traço mapas de beijos
em teu corpo

teu sorriso
instiga meu carinho
estrela cadente
luz que me invade

força sem igual
golpe cortante
nas minhas incertas certezas

beligerante
entrego-me
gueixa-suicida

falsas melenas
longas e retas
pele branca...
finjo ser perfeita
só pra te agradar
acalento teus sonhos

rio de tuas estórias
acredito nas falsas promessas...

só por uma hora
deita aqui!
deixa que eu te encante
com meu sorriso milenar.
.