12 de fev de 2018

Ingenuidade congênita





Tenho em mim essa alma tola
Guardada e afivelada

Engulo cinismo em cápsulas 
Sandice em ampolas

Doses diárias

Amenizam minha tolice rara
Mascaram essa coisa atávica

15 de dez de 2017

A Natureza do Jogo




Sabe? Alguma coisa não fecha, alguma coisa não bate quando penso nela e, ao contrário do que pensa a maioria, conviver com a telepatia é um peso infernal. O que eu não entendo é como posso sentir falta do que não conheço? Não deveria doer. Afinal não era real ou era? A dor é incrivelmente real. Sinto falta das conversas. Do entendimento mágico que, provavelmente, nem acontecia. Dessa amizade quase palpável.

Tenho me sentido péssima. Penso nisso o tempo todo. Ninguém aparece para conversar até tarde da noite. Ainda assim quando chega a noite ligo essa máquina infernal e fico aqui banhada por essa luz espectral esperando por um sinal qualquer. Que não vem.

Estou longe pra me fazer ouvir, na verdade nem sei se quero mesmo falar com você. O que ficou foi a idéia que fiz de você. Inatacável, perfeita e inatingível. Como você agora. Ficamos no quase, na esfera das possibilidades e eu preciso ser sensata e deletar você da minha vida também. Eliminar essa lembrança de um momento que não existiu. Hoje vou tentar seguir em frente, um passo por vez.

Levanto da cama ligo o notebook e escolho uma playlist aleatória. Começo a ver as notificações e e-mails atrasados quando um anúncio aparece ao lado. É uma receita de bolo. Sorrio com o timing perfeito dessas máquinas. Resolvo cozinhar e vasculho a dispensa: farinha de trigo, bicarbonato de sódio, sal, cacau em pó, leite, limão, essência de baunilha, açúcar, açúcar mascavo, manteiga sem sal, ovos e chocolate meio amargo. Arrumei tudo sobre a mesa e comecei a trabalhar. Focada na receita.

Peneirei a farinha, o sal e o bicarbonato. Misturei o cacau e a água morna até ficar homogêneo. Misturei o buttermilk, a água e a essência de baunilha. Liguei a batedeira, bati a manteiga com os açúcares até ficar levinho. Com a batedeira ligada, adicionei um ovo de cada vez e bati até a massa ficar fofa. Adicionei à mistura de cacau com a batedeira em velocidade baixa, depois a mistura de farinha, alternando com a mistura de buttermilk, sendo três adições de farinha e duas de buttermilk, começando e terminando com a mistura de farinha.

Incorporei o chocolate ralado e joguei a mistura na forma para assar por mais ou menos 45 minutos. Foi quando percebi a música que eu estava acompanhando sem querer.
Pleased to meet you
Hope you guessed my name, mm yeah
But what's puzzling you
Is the nature of my game, mm mean it, get down
Tell me baby, what's my name
Tell me honey, can ya guess my name
Tell me baby, what's my name
I tell you one time, you're to blame

Olhei para trás e lá estava ela: Vésper. Era assim que ela se apresentava em nossos encontros virtuais. Eu sorri. Ela sorriu e sussurrou: Saudades sweetie?
Eu permaneci meio tonta e confusa e muda. Como? Você me chamou sweetie.
Chamei?
Huhum. Como?
Devil’s Cake, Simpathy for the devil?
Foi por acaso.
Nada , acredite, nada é por acaso!
Quer dizer que eu te invoquei?
Sim, invocou!
E você é o demônio ou um deles?
Não sweetie:EU SOU O PRÓPRIO.
Fiquei olhando para os seios que apontavam sob a camiseta de malha branca. Ela sorriu. Você realmente acha que alguém denominado “estrela da manhã” liga para gêneros?
Ela sentou numa das cadeiras cruzou as pernas longas e cantarolava: Pleased to meet you
Hope you guessed my name, oh yeah
(Who who)
But what's puzzling you
Is the nature of my game, oh yeah, get down, baby
(Who who, who who)
Pleased to meet you
Hope you guessed my name, oh yeah
But what's confusing you
Is just the nature of my game

28 de nov de 2017

sinas e tentáculos


Finalmente desentendi
Não me pergunte quando
Deslembro, apago e afago
O dia, a semana, o mês

Você estava lá e basta

Desmonto todos os fatos
Desencaminho sinas e tentáculos

Teu sorriso assassina regras e atos

Ando farta de fatos
Dessas dúvidas órfãs

Numa tarde vazia
Recito orações tecidas em desvario

28 de set de 2017

jabuticaba




sonhei-te hoje
num susto acordei
saltei para o escuro

caí nessa lonjura
nesse engodo
nesse muro e te juro
que tudo ali parece perto

vi uns anjos sem asa
sopraram esse teu papo
essa conversa meio à toa

pontos fortes
nortes
mortes

a luz me mostrou o dia
não tinha anjo

minto

tinha um
que tem asa

mergulhado
numa garrafinha

cachaça de jabuticaba

feito sacia apreendi
esse diabinho distraído

redemoinhos sonolentos
tampa frouxa e tudo escapa

é dia

a magia esvaída na mesa
acaba sonhos e conversas