27 de jan de 2011

para que suas garrafas não encalhem na areia - Bento calaça

Um poeta
tem mistérios que as mãos
não tocam
sentem sem os sentidos
os sons das letras num sopro.
São raízes que se ligam
por alguns
outros passam ignóbeis
ignorando a mensagem...
um poeta precisa
para que suas garrafas
não encalhem na areia
dos que orem em poesia
com a mesma fé
dos tombos que o vento
cravejar nas arvores, rachando
verbos e sementes.
Para que assim também alcance
momentos de poesia e êxtase
nos que nela mais futucam.


Bento calaça