28 de mar de 2009

NOME DE POEMA by CADO: NAVEGADOR DO IMPONDERÁVEL



Dos sábados espero que obedeçam meus desejos
E não me neguem o sol destas vontades sufocadas
Que cegam teus olhos brancos de Rei-Édipo em Colona
Quando enfim enxergas dentro o teu ódio corrompido

Mas vez em quando sombreiam o lado sul do meu dia
Retraindo as fantasias dos sorrisos planejados
Na semana mais ou menos das playlists depressivas
E algum verde pelos parques em caminhos outonais

Deambulando confuso por entre arestas de culpas
Sobrevivo às enxurradas do que é demasiado humano
Por fugir à poesia ao desprezar formalidades
E preferir as canções ao silêncio emoldurado

E por supor que é na arte que salvarei os meus dias
Do afogamento contínuo na qualquer coisa do ontem
É que sigo futurando meus atos de insanidade
Insana fé nas palavras dos livros dos homens sábios

E sabedor dos limites de meu palavrear prolixo
Paro por aqui pensando no som de minhas palavras
Em teus ouvidos cansados do ritmo quebrantado
De dizeres que pretendem ganhar nome de poema