21 de abr de 2017

acordei desalmada


acordei desalmada 
hoje fiquei enredada no breu 

nada serve, nada me encanta 
não me espanta o canto da cigarra 

deslocada  cicio até estourar 
perdi a alma na escuridão 
escorregou num desvão 

 teu sorriso me valia no céu azul 
eu entrevi numa entrelinha 
tentei sorrir de volta 
acenei  

acho 

ando esvaída de certezas 
 mente pintada 

tarjas vermelhas e pretas 

 encolhi num canto o esgar  
não era um sorriso 

minha alma evaporou 

sinal de fumaça  
código morse 
 sopra de volta 

manda a cigarra cantar 

cicia pra mim 
sorria por mim 
acredita por mim?