27 de out de 2016

Terremotos em Caixa de Areia



“O expresso do oriente/Rasga a noite, passa rente/ E leva tanta gente/Que eu até perdi a conta/E nem te contei uma novidade, quente...”

A maquete, a espera e a observação ocupavam meus dias. Ver o mundo sem estar nele era tudo que conseguia fazer, com breves intervalos para beliscar alguma coisa do que deixavam na geladeira. Depois voltava para a o computador só para ver o que ela fazia e esperar.
Não falava com ela há muito tempo, se contentava em ver e ela já tinha até esquecido que a câmera estava ali, tinha quase me esquecido, mas isso eu não permitia. Ela estava presa na minha trama de culpa, desejo, medo e amor.
Era tarde quando ela chegou, caía uma chuva miúda, a chuva batia nas telhas e a gata fitava o telhado. Eu acompanhava seus movimentos, mas não me importava. Não mais.
Ainda entrevia os espíritos como sombras no canto do olho, mas deixava que sumissem. Andava cansado. Cansado de espíritos e preces, cansado de ficar ali sozinho no escuro esperando por ela. Meu remédio, minha terapia.
Ela e a gata tinham certa similaridade, moviam-se de modo parecido e pareciam estar sempre à espera de algo que não viam. Teclei alguns comandos e abri o zoom de modo que pudesse ver melhor. Ela circulava seminua pela sala, uma xícara de chocolate quente numa das mãos e o telefone na outra. As janelas do pequeno apartamento estavam fechadas. Ela raramente as abria. Eu a ouvi ligar para o trabalho e avisar que ficaria em casa no dia seguinte. Sabia que estava doente e quis ir até lá, mas não fui, fiquei ali onde era seguro. Em vez disso, faria com que viesse até mim.
Ela sentou-se finalmente para teclar com as centenas de amigos e eu pude ver seu rosto mais claramente. Gostava do modo como ela franzia a testa quando se concentrava em algo.
Desliguei o computador, pus os fones de ouvido e voltei a trabalhar na maquete. Veneza estava pronta, faltavam alguns detalhes e terminar o trem. A parte interna precisava ficar perfeita, trabalhei um pouco mais rápido. Queria voltar ao posto de observação antes que ela terminasse as intermináveis conversas. Não queria perder o close up.
Pronto. O expresso estava perfeito, bastaria um toque para concluir, uma peça para ficar perfeito. Quando voltei ao computador ela já não estava só. Um grupo animado cortava a noite fria numa formação compacta. Risos, afagos e beijos alternavam-se com doses fartas de cinismo e sarcasmo. Dois deles pareciam mais eufóricos, embora rissem e falassem num tom mais baixo.
Minha menina observava séria e calada demais. Mandei a mensagem de socorro e observei-a ler e, ato contínuo, se levantar para sair. Os amigos ficaram, mas eles não me interessavam. Desliguei meu observatório. Tomei um longo banho, me deitei e esperei, no escuro.
A porta abriu-se e pela nesga de luz que vinha da rua eu a vi. Acendeu as luzes, uma a uma, até que restassem muitos cantos escuros para meus fantasmas. Deslizou até o sofá onde eu fingia dormir e beijou-me a testa. Arrumou meus recortes de caos e depois se despiu devagar e devagar veio até mim. Toda aquela luz me deixava quase feliz e quase me fazia esquecer a maquete, mas quase não é tudo. A luz parecia vir com ela, algo como uma parte integrante do brinquedo.
No canto do quarto, presos numa nesga de sombra, os espíritos esperavam. Fechei os olhos e voltei a mergulhar na pele branca, naquela luz sufocante que era ela. Depois eu a levei até o pequeno trem, estacionado na pequena gare, cercado de luz e cor. Precisava dela no meu mundo novo, para onde o expresso me levaria. Estava tudo pronto, ela precisava apenas beber do vinho, tocar no trem e a mágica dos espíritos faria o resto. Morreríamos para o mundo. Seria apenas uma longa viagem com ela nua ao meu lado.

Rosa Cardoso