5 de abr de 2017

Twilight zone



nada de gemidos
ou soluços pela tarde morta
morreu

é fato

nenhuma novidade sob o céu

culpas cochilam no lusco fusco
onde dormitam bruxos
lacônicos e distraídos

demônios toscos lêem rimas
traçam sonetos em tinta fosca na pele clara

twilight zone
hora mágica

tudo voa para dentro da noite ávida
ela devora meus bruxedos
teus engenhos

mastiga carros
pássaros
gente

tudo corre
tudo se acotovela

ninguém te vê cair, anjo
teus beijos me sabem de cor
driblam o negrume
espantam medos
esvoaçantes