26 de mai de 2009

Feitos para mim.





A Rosa e as Moiras (Para Rosa Cardoso de Heloisa Galves )


Um jardim de flores imenso!
Detinha - de quem o visse - todos os horizontes
Cloto, Láquises e Átropo; as Moiras
Apareceram como sempre itinerantes
Errantes, “errantes”...

Concordaram que a humanidade
Não merecia tal diversidade
Assim Átropo amolou a tesoura
E depois de um breve divagar
Flores inexistentes começou a abortar.

-Flaquéias pra quê?
Trifânios e Radúzias,
Cambirinas matutinas,
e tantas flores meninas,
jamais hão de florescer!

Cortou as que tinham menos perfume,
Aquelas muito finas,
As com tez de gelatina
Aquelas com muito veneno,
As com folhas demais, as com folhas de menos...

Sobrou do jardim imenso...Apenas uma flor...
Cloto bronqueou:
- Átropo! A Rosa! Vai deixar que ela fique?
E num sorriso maroto assim esclareceu:
-Essa vou poupar, será mãe de todas as outras.
Dos poemas e das músicas
Será que se esqueceu?

-Sem a Rosa, o que seria de Chico e Cartola?
Ary e Pixinguinha?
Vinícius, Juan Guerra?
E o resto da galera?

-Não tecemos o destino de flores,
estamos aqui de enxeridas,
flores me dão enjôo,
com todas essas pétalas!
Mas se não fosse a tal da Rosa...
O que seria dos poetas?


__________________________

Noites de chuva
...


No ritmo da chuva, ponho-me a pensar...
Queria ser o mar
Para te banhar e acalantar
Queria ser o vasto chão
Para matar a tua ânsia, nesta vasta solidão

E se você disser que foi por amor
Não irei negar!
Pois eu só queria ser o macio
De galanteios de bandido
Nesta nossa solidão noturna
D’onde exala a prece,
Diante de nossos segredos...

Reinvento sobre a lua e a terra
A nossa essência grata da alma
Que nos deixa sempre em fuga
De nós mesmos...
Destas nossas mentiras diversas
Em que disfarçamos nossos desejos...

Nesta constelação de porte
Não somos os senhores da redenção
E muito menos, os da pureza!
Somos o deserto de algum lugar
Em nossa própria catedral
De solidão secular
D’onde nós, nos encontramos...

Gota a gota de nosso palácio temeroso
Flameja através deste teclado
Como se fossem das asas de uma borboleta
Que dança sobre o vento
Através dos mistérios do mundo
Sobre o fogo eterno
Dos nossos sonhos e visões

Dentre o nascer do dia
E a espera do anoitecer
D’onde nem queríamos perceber
Esta ação bélica de coalizão
De anseios e recordações
Sorrateira a superfície da alma
Em que nós rasgávamos as nossas bandeiras
Subindo aos céus, sem as cordas para nos segurar

Hoje, então, como pobres deuses
D’onde temos que apagar as luzes
Para calar a voz
Que não nos deixa encontrar a paz
D’onde circulam as longas carabinas
Que nos reconhecem

Digo-te!
Estou longe de chegar
A ser o colibri dourado
Nesta minha superfície livre
De crise e temor
Sou apenas uma simples flor
De folha lírica em meu fado
Que cai sobre ti.


Fernando A. Troncoso Rocha

_________________________________

Mais de Rosa (Ruy Villani)


Rosa me pousa.
Não ousa.
É leve como borboleta
E me alimenta como seio
Da mãe preta.

Rosa me tranqüiliza
E desliza entre meus dedos
Permeia e enfrenta meus medos
Me conhece mais que eu
Mesmo me conheceria.

Rosa é mais que irmã, mais que tia
É a soma das razões de crer
Em algum ente, em algum ser.

Rosa, apelido de flor
Daquelas estigmatizadas
Mas Rosa, essa Rosa
É o encontro de estradas
A antítese da bifurcação.

Pois dedico tais palavras a essa Rosa
Deveria ser em prosa, que é meu modo recorrente
Mas essa Rosa da gente
É poema em si. Não há opção.

__________________________

Um poema para Rosa (Ruy Villani)

Jamais será uma prosa
Jamais fugirá à temática
Nem em teoria,
Quanto menos na prática.

Um poema bem singelo
Que mostre apenas o elo
Que nos torna mais que ilustres
Desconhecidos, entre achados
E perdidos, meras almas afinadas.

Quantas rimas, até então desperdiçadas
Foram necessárias a esse entendimento,
Quanto se abusou do momento
Até que este se tornasse simples e natural

Um poema para Rosa, não a prosa
Pois que ela se alegra dos versos
E assim me entende, quase metrificado
Mas livre, a ponto de ser lido,
Entendido e confirmado.

Meu poema para Rosa, não é prosa
É um ato agradecido
E em versos atestado.