21 de out de 2016

inerme


acusador,
teus olhos dançam
negrume iluminado que me prende

arame farpado

esplendor

desejo pagão

eu desacredito de tudo
acredito nos feitiços insana,
rosada e lunar
bebo contigo, anjo perdido
e corada aceito a embriaguez
dessas novenas afoitas

vinho sem mistura

feito foice arranca sinfonias
invade as certezas ,
deus-cego e destruído
abre as belas pétalas dessas verdades tortas
colhendo esses beijos natimortos
na vindima do inferno

taça florescente recheada de alma
temperada em pecados inermes